receita

ARROZ DE PUTA RICA DO CERRADO - GOIÁS
GRAU DE DIFICULDADE:
Fácil
TEMPO DE PREPARO:
1 hora e 30 minutos
RENDIMENTO:
de 4 a 6 porções
CHEF:
Márcia Pinchemel
REGIÃO:
Goiás
TIPO DE PRATO:
arroz
ingredientes

60 gramas de bacon cortado em cubos pequenos
200 gramas de peito de frango cortado em cubos pequenos
200 gramas de lombo suíno cortado em cubos pequenos
100 gramas de linguiça defumada cortada em cubos pequenos
6 colheres de sopa de alho picado
2 colheres de cebola picada
200 gramas de arroz branco
1 colher de sopa de açafrão
200 ml de caldo de cagaita
1 pimenta-dedo-de-moça picada sem as sementes
1 xícara de chá de coentro picado
1 xícara de chá de ervilha fresca
160 gramas de queijo de coalho em cubos
1 xícara de chá de milho verde fresco
100 gramas de castanha-de-baru torrada e grosseiramente triturada
¼ de xícara de chá de azeite de oliva
Sal a gosto
Água

modo de preparo

1 Tempere o frango e o lombo com duas colheres de alho picado e sal a gosto, frite e reserve;
2 Frite o bacon e reserve. Na mesma frigideira, frite linguiça defumada e também reserve;
3 Em uma panela aquecida, coloque o azeite e refogue nele o alho e a cebola. Acrescente o arroz e, em seguida, o açafrão;
4 Junte as carnes já fritas, a pimenta-dedo-de-moça, o caldo de cagaita e água em quantidade suficiente para cobrir o arroz. Espere ferver e acerte o sal;
5 Deixe cozinhar. Quando a água começar a secar, acrescente o milho, a ervilha e o coentro e mexa bem;
6 Verifique se o arroz está cozido. Se necessário, coloque um pouco mais de água. Veja se o sal está bom;
7 Desligue o fogo e finalize com as castanhas trituradas. Sirva em seguida.

Dicas

-A castanha-de-baru e a cagaita são frutos típicos do cerrado brasileiro. Você pode substituir a castanha-de-baru por outra castanha de sua preferência, caso não a encontre em sua cidade. Já a cagaita é mais fácil ser encontrada no mercado vendida em polpa. Se ainda assim não encontrar o fruto ou a polpa, substitua por caldo de legumes

História

Originado nos bordéis, tradicional prato goiano arroz de puta rica leva carnes e legumes

 

Antes de o tradicional prato goiano arroz de puta rica existir, conta o escritor e folclorista Bariani Ortêncio, 93, havia o arroz de puta pobre. “Antigamente, as mulheres meretrizes, ao final da noite, estavam cansadas. Faziam um escaldado e quebravam um ovo dentro, para fortalecer.”

Desse “prato das putas” nasceu uma receita do empresário Nelson Guimarães, de Rio Quente –a tal versão pobre. “É feito com carne de vaca, arroz de pilão e feijão. Coisa pobre mesmo, por isso o nome”, diz Bariani.

Ao comer uma versão do prato com carnes como filé, costelinha, frango e porco, o cineasta mineiro João Bênnio contestou o nome. “Ele disse que era arroz de puta rica esse somatório de ingredientes. E ficou”, conta Bariani. Outra versão para a história, acrescenta, é que o prato teria sido criado em bordéis com sobras de comida –com as quais se faz o prato mexidão.

A receita tradicional ganha hoje releituras. A chef Márcia Pimentel, 63, que mora há 40 anos em Goiás, por exemplo, opta por valorizar os produtos goianos.

“Normalmente o prato leva vários tipos de carnes e legumes, é muito farto, tem muita mistura. Como fiz uma versão contemporânea, diminuí a quantidade de carnes e uso ingredientes tradicionais da região, como o baru e a cagaita”, conta.

Na sua receita, inclui sobrecoxa de frango, filé suíno, calabresa, queijo de coalho, milho, coentro e açafrão-da-terra –ou cúrcuma–, cuja produção em Goiás é a maior do país.

“Antigamente, as mulheres meretrizes, ao final da noite, estavam cansadas. Faziam um escaldado e quebravam um ovo dentro, para fortalecer”

Instituto Educacional e Cultura Bariani Ortêncio
ONDE rua 82, 565, Praça Cívica, Centro, Goiânia, Goiás, tel. (62) 3223-0330
Chef Márcia Pinchemel
CONTATO tel. (62) 99640-2200
www.facebook.com/marcia.pinchemel

galeria de fotos

Chef Márcia Pinchemel. foto Rusty Marcellini

Versão de Márcia Pinchemel do arroz de puta rica do Cerrado. foto Rusty Marcellini