receita

BRIGADEIRO DA FLORESTA - PARÁ
GRAU DE DIFICULDADE:
Fácil
TEMPO DE PREPARO:
duas horas
RENDIMENTO:
20 unidades
CHEF:
Dona Nena
REGIÃO:
Pará
TIPO DE PRATO:
doce
ingredientes

1 lata de leite condensado
7 colheres de sopa de cacau em pó 100%
1 xícara de chá de nibs de cacau
½ xícara de chá de manteiga

modo de preparo

1 Coloque em uma panela de fundo grosso a manteiga, o cacau em pó e o leite condensado. Leve ao fogo brando, mexendo sem parar até que seja possível ver o fundo da panela. O brigadeiro deve ser retirado do fogo um pouco antes de atingir a consistência da versão tradicional;
2 Ponha o brigadeiro em uma travessa e espere esfriar completamente;
3 Passe um pouco de manteiga nas mãos e enrole o doce em bolinhas. Em seguida, passe-as nos nibs de cacau e coloque nas forminhas. Sirva em seguida.

Dicas

-Os nibs de cacau nada mais são do que pequenos fragmentos da amêndoa do cacau. Todos os benefícios do chocolate amargo, que sempre são mencionados pelos nutricionistas, vêm do fruto. Portanto, os nibs trazem ainda mais benefícios do que o chocolate amargo. Comer a amêndoa de cacau pura não é tão fácil devido ao sabor amargo. Os nibs de cacau, no entanto, caem muito bem quando misturados em receitas. Pode-se, por exemplo, acrescentá-los à banana com aveia, à granola ou ao sorvete vegano

História

Brigadeiro da Ilha do Combu, no Pará, conquistou Alex Atala e Thiago Castanho

 

Foi na pacata Ilha do Combu, localizada às margens do rio Guamá, que banha a capital paraense, que nasceu uma receita de brigadeiro que conquistou chefs como Thiago Castanho, do restaurante Remanso do Bosque, de Belém, e Alex Atala, do D.O.M.

Izete dos Santos Costa, 53, mais conhecida como dona Nena, conta que sua versão é bem próxima da popular Brasil afora. “A receita é a tradicional mesmo, mas troco o achocolatado pelo meu cacau e o granulado pelos nibs”, conta.

Seu cacau e os nibs –semente de cacau triturada– saem todos ali de seu quintal. A principal atividade extrativista da ilha é o açaí, mas dona Nena voltou-se ao beneficiamento do cacau, que dá em abundância em sua casa.

Desde 2006, no período de safra, os frutos são quebrados e as sementes, separadas e colocadas em caixas, onde fermentam por três ou quatro dias. “Elas são espalhadas em uma esteira e colocadas ao sol para secar. Depois de secas, posso guardá-las para utilizar ao longo do ano conforme vou precisando”, diz Nena.

Então, as sementes são torradas em forno caseiro e descascadas. Uma parte vira nibs e outra, pasta de cacau, obtida passando as sementes por um moedor. Depois de queimar dois liquidificadores no processo, Nena improvisou o processo com um moedor de carne. “Deu certo”, diz, sorrindo

Essa pasta é, por fim, embalada na folha do cacaueiro e, no dia seguinte, vira uma barra 100% cacau –sem adição de açúcar, leite ou gordura. Ralada, a barra pode ser utilizada em diversas receitas, como o famoso brigadeiro.

“A receita do brigadeiro é a tradicional mesmo, mas troco o achocolatado pelo meu cacau e o granulado pelos nibs”

Filhas do Combu
CONTATO tel. (91) 99616-0648, combuorganico@gmail.com

galeria de fotos

Brigadeiro da floresta brigadeiro de cacau. foto Rusty Marcellini

Sementes de cacau secam ao sol. foto Rusty Marcellini

Igarapé do Combu. foto Rusty Marcellini

Dona Nena coloca as sementes de cacau para secar ao sol. foto Rusty Marcellini

Raspagem das sementes depois de serem torradas ao forno. foto Rusty Marcellini

Dona Nena na frente de sua casa na Ilha do Combu. foto Rusty Marcellini

Cacau processado em moedor caseiro. foto Rusty Marcellini

Barras 100% cacau envoltas em folha de cacaueiro. foto Rusty Marcellini

Dona Nena enrola o brigadeiro em nibs de cacau. foto Rusty Marcellini

Brigadeiro envolto por nibs de cacau. foto Rusty Marcellini