receita

FAROFA DE OVOS - DISTRITO FEDERAL
GRAU DE DIFICULDADE:
Fácil
TEMPO DE PREPARO:
15 minutos
RENDIMENTO:
4 porções
CHEF:
Francisco Ansiliero
REGIÃO:
Distrito Federal
TIPO DE PRATO:
acompanhamento
ingredientes

4 colheres de sopa de óleo de girassol
3 colheres de sopa de manteiga
½ xícara de cebola picada
Cebolinha picada
4 ovos
Sal a gosto
1 xícara de chá de farinha de mandioca

modo de preparo

1 Aqueça uma panela e coloque nela o óleo, no qual você deve refogar a cebola e a cebolinha. Quando a cebola começar a dourar, acrescente a manteiga;
2 Em um bowl, quebre os ovos e certifique-se de que estão em bom estado. Bata os ovos ligeiramente com um fouet;
3 Despeje os ovos na panela com a cebola e a cebolinha e tempere com sal a gosto;
4 Mexa bem até que os ovos estejam fritos. Acrescente a farinha de mandioca e misture. Acerte o sal e sirva imediatamente.

Dicas

-Use, se possível, uma farinha de mandioca artesanal, de preferência torrada, pois a farofa ficará bem mais saborosa

História

Farofa de ovos brasiliense nasceu como acompanhamento e virou protagonista

Capital do país, Brasília é composta por pessoas vindas de todos os cantos do país: povos amazônicos, sulistas, gente do litoral nordestino ou de grandes capitais do Sudeste. Uma coisa une toda essa gente: o gosto pela farinha.
“De norte a sul você tem farinha. Tem diferentes usos, diferentes preparações, mas todos a usamos, a comemos e a valorizamos”, diz Francisco Ansiliero. O chef, dono do restaurante Dom Francisco, com quase 30 anos de história, incorporou o ingrediente numa guarnição tradicional da cidade: a farofa de ovos.
Francisco conta que os primeiros cozinheiros de Brasília eram gaúcho e serviam churrasco em seus restaurantes. A farofa nasceu como alternativa de guarnição para os assados. Sua qualidade, porém, a alçou ao posto de protagonista. “Em vez de acompanhar um prato, passou a ser o pedido principal.”
Na cidade, conta ele, o costume era fazer a farofa pela manhã, em panelonas, para atender a todos os clientes do dia. Ele optou por outro caminho: prepara o prato quando o cliente pede. Em seu restaurante, primeiro escolhem a farofa, depois o que ela vai acompanhar.
Sua farofa leva farinha de mandioca amarela artesanal vinda da Bahia. Produzida em tachos e puxada com pá, é a melhor farinha que ele conhece. “Tem muito mais amido, sabor e aroma”, diz. O chef também utiliza óleo de girassol e manteiga clarificada, que diz favorecerem o sabor da farinha –e não “pesam no estômago”.

"De norte a sul você tem farinha. Tem diferentes usos, diferentes preparações, mas todos a usamos, a comemos e a valorizamos"

Restaurante Dom Francisco
ONDE Asbac: Setor de Clubes Esportivos Sul, Trecho 2, Cj.31, Brasília, Distrito Federal, tel. (61) 3224-8429 / 3226-2005
www.domfrancisco.com.br

galeria de fotos

O chef Francisco Ansiliero prepara a farofa de ovos. foto Rusty Marcellini

Farinha amarela da cidade de Nazaré, na Bahia. foto Rusty Marcellini

Preparo da farinha baiana no tacho e puxada na pá. foto Rusty Marcellini

Farofa de ovos do Dom Francisco. foto Rusty Marcellini