receita

PÃO DE QUEIJO COM QUEIJO CATAUÁ - MG
GRAU DE DIFICULDADE:
Fácil
TEMPO DE PREPARO:
1 hora e 45 minutos
RENDIMENTO:
de seis a oito porções
CHEF:
Mariana Resende
REGIÃO:
Minas Gerais
TIPO DE PRATO:
pão
ingredientes

500 gramas de polvilho azedo
½ xícara de chá de água em temperatura ambiente
1 colher de chá de sal
1 xícara de chá de leite
¾ de xícara de chá de óleo de soja
2 ovos
500 gramas de queijo Catauá ralado

modo de preparo

1 Em uma tigela, misture o polvilho, o sal e a água em temperatura ambiente. Misture bem até soltar das mãos;
2 Ferva o leite e o óleo e despeje a mistura ainda quente sobre o polvilho, para escaldar;
3 Misture até esfriar a massa;
4 Acrescente os ovos, um a um, e mexa bem;
5 Por último, acrescente o queijo ralado. Misture bem e faça bolinhas no tamanho desejado;
6 Coloque as bolinhas em uma assadeira e leve ao forno aquecido a 250°C por cerca de 30 minutos. O tempo pode variar de acordo com a potência do seu forno.

Dicas

- O tamanho do pão de queijo fica a seu critério, lembrando que o tamanho interfere diretamente no tempo de forno;
- Você pode congelar o pão de queijo em pequenas porções e assar de acordo com a sua necessidade.

Para acompanhar, sugerimos um MOLHO PESTO DE QUEIJO CATAUÁ E HORTELÃ

DIFICULDADE: fácil
RENDIMENTO: quatro porções
TEMPO DE PREPARO: 20 minutos
FONTE: Mariana Resende
TIPO DE PRATO: molho

INGREDIENTES
-1 xícara de chá de folhas de hortelã fresca (somente as folhas)
-½ xícara de chá de folhas de azedinha
-1 xícara de café de azeitonas verdes sem caroço
-2 dentes de alho
-1 ½ xícara de azeite de oliva extravirgem
-1 xícara de chá de queijo Catauá de longa maturação
-½ xícara de chá de queijo Catauá meia cura
-½ xícara de chá de nozes
-½ xícara de chá de castanha do Pará
-Sal a gosto

MODO DE PREPARO
Bata todos os ingredientes no processador ou liquidificador e sirva.

DICAS
- Esse molho é uma ótima opção para massas, saladas e sanduíches;
- O queijo Catauá geralmente é vendido inteiro. Como a receita pede o mesmo queijo em diferentes texturas, pode-se comprar o queijo meia cura, que atende bem para o preparo do molho;
- Se armazenado adequadamente, o molho pode durar até uma semana na geladeira.

História

Queijo mineiro Catauá preserva modo de fazer e sabor de antigas fazendas portuguesas

Segundo registros, a família de João Dutra, 60, faz queijo há seis gerações na região de Coronel Xavier Chaves, no interior de Minas. “Mas antes devem ter vindo mais umas quatro gerações”, arrisca.
No Sítio Catauá, a 180 quilômetros da capital Belo Horizonte, João segue a tradição familiar de mais de 250 anos e prepara uma média de 40 queijos ao dia, buscando preservar não só o ofício, mas o modo de fazer de seus antepassados, vindos de Portugal.
“Quero manter esse sabor do queijo das antigas fazendas, por isso não artificializo a alimentação das vacas. Para não interferir no sabor do leite”, conta ele. Vacas, aliás, rigorosamente selecionadas. “Há 17 anos não entra nenhum animal de fora. Somente gados leiteiros nascidos aqui.”
De massa branca, macia, pouco prensada e com muitos furinhos, o Catauá tem receita simples e lista de ingredientes enxuta: leite cru –com alto teor de gordura, de vaca Jersey–, coalho, sal e pingo. E é só.
Velho conhecido dos queijeiros artesanais, o pingo é o que ele chama de “fermento biológico”, o último soro que pinga da mesa de salga. “Traz as bactérias desejáveis que vão coagular o leite para transformar em queijo. Depois que o queijo está pronto, elas continuam trabalhando para dar esse sabor natural”, explica.
Para cem litros de leite vai um litro de pingo, sempre do dia anterior à preparação do queijo. Cada peça de Catauá leva 12 litros de leite, num ritmo de produção de 500 litros por dia. A versão mais tradicional é a meia cura, que matura por 23 dias. Seu sabor é suave –ainda que seja marcante comparado ao de um queijo industrial.
Já o queijo fresco, ou frescal, não passa por maturação alguma: dois dias após a produção está pronto para a mesa. O sítio produz também queijos de longa maturação, em processos que chegam a cem dias.
Tempo longe do recorde de João, que já chegou a maturar queijos por até um ano e meio. “Com isso, temos a certeza de que o leite é de alta qualidade. Se estivesse contaminado, o queijo não chegaria nesse ponto. Apodreceria antes”, conta.
O termo “cura”, conta João, vem justamente de “curado das doenças”. “Porque as bactérias desejáveis matam aquelas que causam doenças se, porventura, elas estiverem no queijo.”
Saúde, aliás, é uma das maiores preocupações de João –tanto a do consumidor quanto a de suas vacas, que ficam soltas e são tratadas com homeopatia. “Elas não adoecem. Têm uma vida completamente natural”, diz. Esse estilo de vida é fundamental para o sabor do queijo Catauá. Das pastagens de solos íngremes que alimentam as vacas vêm bactérias que contribuem no sabor do leite.
Seu rebanho, hoje com 33 animais, está em formação há 25 anos. Como nos tempos de seu avô, cada vaca ganha um nome, que João sabe de cor. “As vacas têm brinco com o número de identificação, mas os nomes são os mesmos da fazenda do meu avô. Mantiqueira, Esperança, Canastra, e por aí vai”, conta João. “Basta chamar uma vaca pelo nome que ela se destaca do rebanho.”

“Quero manter esse sabor do queijo das antigas fazendas, por isso não artificializo a alimentação das vacas. Para não interferir no sabor do leite.”

Sítio Catauá
ONDE estrada do Ouro Fino, km 7, Colônia do Felizardo, Coronel Xavier Chaves, Minas Gerais, tel. (32) 99999-2200. www.cataua.com.br

galeria de fotos

Vacas do Sítio Catauá. foto: Leandro Miranda

Ordenha. foto: Leandro Miranda

Funcionário coloca o queijo catauá nas formas. foto: Leandro Miranda

Massa de queijo sendo colocado na forma. foto: Leandro Miranda

Queijos catauá maturados. foto: Leandro Miranda

Queijos catauá em processo de maturação. foto: Leandro Miranda

Queijo catauá meia cura, cortado. foto: Leandro Miranda

Queijo catauá maturado, cortado. foto: Leandro Miranda

Detalhe da casca de um queijo catauá curado. foto: Leandro Miranda

Queijo catauá meia cura. foto: Leandro Miranda

Queijos catauá em processo de maturação. foto: Leandro Miranda

Queijos catauá maturados. foto: Leandro Miranda

Pesto catauá. foto: Mariana Resende

O produtor João Dutra. foto: Leandro Miranda