receita

REQUEIJÃO DE PRATO - SÃO PAULO
GRAU DE DIFICULDADE:
Médio
TEMPO DE PREPARO:
duas horas
RENDIMENTO:
oito porções, em média
CHEF:
Dona Dita
REGIÃO:
São Paulo
TIPO DE PRATO:
aperitivo
ingredientes

5 litros de leite
190ml de coagulante químico ou vinagre de álcool
45ml de creme de leite
Água quente
Sal a gosto

modo de preparo

1 Aqueça o leite;
2 Aos poucos, acrescente o coagulante ou o vinagre de álcool para fazer o coalho;
3 Mexa sempre. Retire do fogo e peneire para separar a pasta formada do restante do leite;
4 Coloque essa pasta em uma panela com água quente e mexa por alguns minutos para retirar o gosto forte;
5 Volte a pasta para a panela com o leite fora do fogo e mexa mais alguns minutos;
6 Em seguida, coloque numa panela já aquecida o creme de leite, a pasta formada e o sal. Mexa sempre até que a massa fique elástica;
7 Despeje a mistura em um prato, que é o que vai dar formato e nome a receita;
8 Espere esfriar (cerca de uma hora) e sirva puro ou com pão.

Dicas

- O requeijão deve ficar soltando da panela, escorrendo e esticando quando for para o prato.

- Depois de frio o requeijão parecerá duro, mas sua a textura é muito leve e ele se desmanchará na faca.

- Em alguns lugares se come o requeijão ainda quente com um pouco de açúcar. Também fica muito saboroso.

História

Com receita passada de mãe para filha, requeijão de prato é iguaria de São Luiz do Paraitinga

 

Nos cafés da manhã em pousadas e padarias de São Luiz do Paraitinga, no interior de São Paulo, é provável que se encontre o requeijão de prato, uma redondinha iguaria local. Quem produz o quitute é dona Dita, senhora de sorriso fácil, que trabalha num sítio simples na zona rural da cidade.
Dita prepara o requeijão –que esfria em um prato fundo de ágata que lhe dá o nome e o formato– desde pequena. “Tenho a prática desde nova. Minha mãe aprendeu com a mãe dela e me ensinou”, conta.
Em seu requeijão não vai nada industrializado. “O coalho é natural, não é aquele pozinho, não”, conta. Para fazer esse coalho, deixa o leite fora da geladeira de um dia para o outro, coberto por um pano.
No dia seguinte, a coalhada é separada do soro e misturada com leite fresco. “Aí você ferventa e aperta com a escumadeira para tirar o soro. Daí torna a ir pro fogo. Vai sal, e quando estiver lisinho você emprata”, narra.
Para que o requeijão fique bem liso, Dita explica que deve-se mexer a massa sem parar, até que ela fique elástica e cremosa. “Fica molinho porque eu coloco leite de acordo. Pra ficar maciozinho, cremoso, né?”
Muitas famílias da região sabem fazer o requeijão, mas o de dona Dita é especial. Ela brinca: “O meu eles dizem que é bom. Mas nem todos ficam iguais, né? Difícil de fazer não é, mas tem a pessoa que nasceu pra isso. Quem não nasceu, não faz”.

"Difícil de fazer não é, mas tem a pessoa que nasceu pra isso. Quem não nasceu, não faz”

Dona Dita
ONDE zona rural de São Luiz do Paraitinga, São Paulo, tel. (12) 99781-5444
Conveniência e Casa do Pão
ONDE rua Coronel Domingues de Castro, 115, Centro, São Luiz do Paraitinga, São Paulo, tel. (12) 3671-1852

galeria de fotos

Detalhe do requeijão de prato. foto Rusty Marcellini

Dona Dita em seu sítio. foto Rusty Marcellini

Requeijão de prato antes de desenformar. foto Rusty Marcellini

Requeijão de prato seca em prateleira de madeira aparado com panos. foto Rusty Marcellini

Cozinha de Dona Dita. foto Rusty Marcellini