receita

STRUDEL DE BOURSIN COM AMEIXA, NOZES E MEL - MINAS GERAIS
GRAU DE DIFICULDADE:
Fácil
TEMPO DE PREPARO:
Uma hora e 30 minutos
RENDIMENTO:
Quatro porções
CHEF:
Onivaldo Ramos Leão
REGIÃO:
Acre
TIPO DE PRATO:
Aperitivo
ingredientes

200 gramas de massa filo
150 gramas de queijo boursin
½ xícara de chá de ameixas pretas sem caroço
½ xícara de chá de nozes
½ xícara de chá de manteiga derretida
2 colheres de sopa de mel

modo de preparo

1 Corte as ameixas em pedaços pequenos e quebre ligeiramente as nozes;
2 Misture as nozes e as ameixas ao queijo boursin e reserve;
3 Corte a massa filo em retângulos de 14x20 cm;
4 Pincele os retângulos com a manteiga derretida, recheie com a mistura de boursin, nozes e ameixa e feche-os formando trouxinhas. A cada dobra da massa, pincele um pouco mais de manteiga para que ela cole bem;
5 Em uma frigideira antiaderente, coloque um fio de manteiga derretida e doure levemente os strudels;
6 Coloque-os em uma assadeira e leve ao forno pré-aquecido a 180°C por dez minutos. Retire do forno e coloque um fio de mel sobre cada strudel. Sirva em seguida.

Dicas

O boursin é um queijo de cabra cremoso e muito saboroso.

História

Produtor de leite de cabra se reinventa
fazendo queijos de sabor delicado

 

Trinta e cinco cabras leiteiras –sem contar cabritos e bodes– compõem o rebanho de Onivaldo Ramos Leão, 74, produtor de queijos de Itabirito, a 60 quilômetros de Belo Horizonte.

Quando comprou sua propriedade, 23 anos atrás, dedicava-se exclusivamente ao leite. Mas como a produção ocupava muito espaço e vendia pouco, passou a fazer queijos, em 2005. A matemática está a seu favor: com cem litros de leite, vendia apenas cem pacotes do líquido, contra dez quilos de queijo.

“A cabra é duas vezes mais leiteira que a vaca, e o queijo fica diferente porque elas têm um pasto excepcional”, diz Leão. Por causa da legislação que proíbe o uso de leite cru, seu queijo é feito com leite pasteurizado –o que, lamenta Leão, mata tanto os micro-organismos que causam doenças quanto os que fazem bem.

Depois da pasteurização, o leite recebe fermento artificial e coalho, para produzir a massa, que toma forma e perde o soro.

O carro-chefe da Capri-Vita é o queijo minas, mais leve. Mas produz outras ainda das variedades feta, mais salgado que o normal, e boursin, que fermenta naturalmente sem a utilização de coalho, e ricota –ele não comercializa queijos curados.

 

“O mineiro gosta do queijo mais fresco, e o queijo minas é mais neutro, de massa branca. O queijo de cabra é mais delicado que o feito com leite bovino”, diz o produtor.

Capri-Vita

ONDE: sítio Quinta Cabrália, s/n, Itabirito, Minas Gerais, tel. (31) 3799-1940

 

galeria de fotos

Capri-Vita - © Leandro Miranda

Cabras do Sítio Quinta Cabrália, da Capri-Vita - © Leandro Miranda

Cabra do Sítio Quinta Cabrália, da Capri-Vita - © Leandro Miranda

Cabras do Sítio Quinta Cabrália, da Capri-Vita - © Leandro Miranda

Cabra do Sítio Quinta Cabrália, da Capri-Vita - © Leandro Miranda

Cabra do Sítio Quinta Cabrália, da Capri-Vita - © Leandro Miranda

Cabras do Sítio Quinta Cabrália, da Capri-Vita - © Leandro Miranda